Perfeitos
Ficção / 31 de Janeiro de 2011

Viu como o tempo passa rápido. Reclamei em maio, na minha resenha de Feios, que “o pior é ter que esperar a continuação do livro”. Pois aqui está ela. E nem doeu tanto esperar. E quem leu a minha resenha, sabe que eu me empolguei bastante com Feios. Não por ter uma trama fantástica, mas sim pelos valores incutidos nela. Scott Westerfeld levanta uma discussão muito atual e faz da série um ótimo ponto de reflexão para os jovens leitores – não só para os jovens, mas principalmente. Digo a série, pois Perfeitos segue o mesmo caminho. E este segundo livro é ainda mais “filosófico” – se é que posso dizer assim – do que o primeiro. Se em Feios a trama é permeada principalmente pela busca da beleza ideal e da degradação da natureza, em Perfeitos a massificação intelectual e a relação de divindade são temas interessantíssimos. Borbulhante é o grande termo do livro. Juro que eu ia tentar explicar aqui o significado de ser, ou estar, borbulhante, mas percebi que essa é uma das grandes sacadas do livro, e que talvez seja mais interessante a percepção que vocês terão durante a leitura. Mas apesar de tudo, – e…

Caim e Abel
Romance / 28 de Junho de 2010

Não é sempre que paramos para pensar na infinidade de livros publicados – principalmente se olharmos para fora do Brasil, da outra infinidade de livros que queremos ler, e dos tantos outros que sabemos que nunca iremos ler, pois não teremos tempo para tudo. Então, vez ou outra, acabamos descobrindo “novos livros” nesse grande emaranhado de publicações. E como é bom quando acontece. Caim e Abel é um romance escrito em 1979 pelo britânico Jeffrey Archer, polêmico político, escritor e intitulado Barão Archer de Weston-super-Mare. Mas para mim, o que importa é a definição do Los Angeles Times: Um dos 10 maiores contadores de história do mundo. Relançado recentemente pela Sextante, comecei a ler este livro com certo receio. Indicaram-me enfaticamente e por isso acabei lendo-o, mas achando que lidaria com assuntos de cunho religioso. Ledo engano. Caim e Abel é, antes de tudo, uma grande lição de vida. Traz exemplos de perseverança, lealdade, amor e mostra como o ódio cego pode nos levar a cometer os piores erros. Além disso, o autor esmiuça as transformações políticas e econômicas, principalmente nos Estados Unidos, passando por guerras, resseções e períodos de estabilidade, e mostra como este se transformou na terra das oportunidades…

O Peso do Silêncio
Romance Policial / 12 de Maio de 2010

Às vezes sofro de uns preconceitos tolos, mas que no final das contas acabam se superando e me ensinando bastante. O que é bom, pois abre horizontes que eu jamais pensaria explorar. Há alguns dias vi nas livrarias o novo lançamento da Harlequin, O Peso do Silêncio. Oquêi, a capa é sombria, a resenha promissora, mas me peguei perguntando: Harlequin? A verdade é que para mim, a Harlequin Books se resumia àqueles romances de banca água com açúcar. Nada contra, mas pelo que propunha o novo livro, me parecia um tanto fora do contexto. A Nathália foi a responsável por me deixar ciente de que a editora não se restringia aos romances de banca, e no final das contas acabei convencido a comprar o livro. E, para calar a minha boca – pelo menos o meu preconceito –, surpreendi-me absolutamente extasiado ao fim da história, ao constatar que se tratava de um romance policial de extremo bom gosto. O Peso do Silêncio foge um pouco à característica violenta dos romances policiais. Sou fã de Rubem Fonseca e seu jeitão descarado, bem como de Dennis Lehane, autor que tem a violência como tema principal. Heather Gudenkauf é mais sutil, bem mais…

Feios
Ficção / 10 de Maio de 2010

Confesso que estava sentindo falta de uma ficção científica nesse estilo. Sou fã de clássicos como Admirável Mundo Novo, 1984, Eu Robô… Feios é um daqueles livros que te faz pensar em como algumas escolhas que fazemos podem chegar um dia a um nível impensado, mas possível. A resenha publicada na Livraria da Folha, classifica o livro como “um casamento entre 1984, de George Orwell, e Diário da Princesa, de Meg Cabot”. Apesar de parecer esdrúxulo, acredito que seja bem por aí mesmo. Não li nenhum livro da série O Diário da Princesa, mas a abordagem jovem dada a história torna-o um provável sucesso juvenil.Mas, de forma alguma, o livro se restringe a ser apenas mais um sucesso teen. Não que um livro erigido a sucesso teen não tenha qualidades, pelo contrário, muitos são fantásticos. Mas o pano de fundo de Feios é o que chama a atenção, e promete fazer algumas cabecinhas entrarem nos eixos. Em um mundo de perfeição, o normal é feio. Tendo como mote a surreal popularidade das cirurgias plásticas entre jovens, o autor cria um universo onde, ao completarem 16 anos, as pessoas são submetidos a uma série de cirurgias plásticas a fim de torná-las…

O Símbolo Perdido
Romance Policial / 21 de Abril de 2010

É engraçado como referências ruins podem facilmente nos conduzir ao erro. Após ler o excelente O Código Da Vinci, procurei outros títulos do autor, esperando encontrar a mesma qualidade. Mas o problema de se usar o “melhor” livro de um autor como referência é que acabamos esperando que todos os seus livros estejam no mesmo nível. Nem sempre estão. Contei que resolvi ler Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak, após ler A Menina que Roubava Livros. Neste caso, a experiência foi positiva. Mas nem sempre é. O segundo livro que li de Dan Brown foi Fortaleza Digital, seu primeiro livro – sim, eu tenho mania de querer ler as obras dos autores por ordem cronológica – e, neste caso, acabei relegando Dan Brown a segundo plano. Fortaleza Digital não é ruim. Mas também não tem nada demais – pelo menos comparado a O Código Da Vinci. Acabei não lendo nenhum de seus outros títulos. Tampouco fiquei empolgado com o lançamento de O Símbolo Perdido. Tudo por causa da má impressão que Fortaleza Digital me causou. Um dia desses resolvi assistir Anjos e Demônios na TV, num canal à cabo qualquer. Opa… até que não é ruim não, ein?!, pensei….